Veias em perigo

Parte fundamental do sistema circulatório, esses vasinhos podem trazer muitas dores e complicações se negligenciados.

O sistema sanguíneo é extremamente complexo. O sangue percorre todo o organismo, do cérebro ao dedão do pé, carregando nutrientes, oxigênio e hormônios. Tudo isso é auxiliado pela máquina central: O coração. Entretanto, nem esse órgão poderoso é forte o bastante para fazer com que o sangue volte das pernas contra a força da gravidade! É nessa hora que a participação das bombas musculares e das válvulas se torna necessária e, se falharem, as varizes podem surgir!

Pernas em observação

As varizes aparecem, geralmente, nos membros inferiores do corpo, como cintura pélvica, coxas, pernas e pés. Tratam-se de veias dilatadas e tortuosas, ou seja, retorcidas. Esses vasos são responsáveis por fazer o caminho de volta do sangue ao coração e pulmão, portanto, precisam ser firmes e fortes. Conforme o tempo passa, esses ” caninhos problemáticos” deixam de fazer seu papel e se tornam inúteis.
Há diversos fatores que levam as veias a se transformarem em varizes, o fator genético é muito importante e deve ser levado em consideração. Além disso, sequelas de tromboses, além de representarem o perigo de desenvolvimento da embolia pulmonar, também podem acarretar esse problema.
As mulheres precisam estar em constante alerta, pois são a maioria no número de casos do problema, sendo três pessoas do sexo feminino acometidas para cada homem. O uso dos anticoncepcionais pode alterar as taxas hormonais, uma das causas mais comuns que aponta na aparição desses vasos tortuosos. Além disso, a gravidez também pode potencializar o surgimento do problema, já que o constante crescimento do feto dentro do útero pode pressionar algumas veias do abdômen, dificultando a volta do sangue ao coração.
Entretanto, esses não são os únicos fatores que provocam essa complicação, as causas de varizes dos membros inferiores estão associadas a disfunção da bomba muscular da panturrilha e insuficiência valvular. Ademais, os vasos podem se dilatar em decorrência das causas de hipertensão venosa, como trombose, estase prolongada, quando o sangue diminui o seu fluxo até parar de fluir, e obesidade.

Diagnóstico

Todo mundo tem uma veia que dá pra ver a olho nu. Seja no punho, no braço ou na parte frontal do cotovelo, é fácil encontrar tubinhos azuis ou esverdeados dentro da pele. Seguindo esse raciocínio, o diagnóstico é, basicamente, visual. É possível enxergar os vasinhos dilatados , já que essa doença pode levar a “alterações anatômicas e fisiológicas que ocasionam dilatação e hipertensão venosa, e alterações da pele, como escurecimento e ou ulcerações”.
As varizes começam, geralmente, com marcas parecidas com pequenas aranhas na pele, com os vasinhos formam as pernas do animal. Entretanto, se não tratadas, podem evoluir para úlceras e em alguns casos até hemorragias.

Batalha contra a gravidade

A luta do sistema sanguíneo contra a força da gravidade também é um dos fatores de risco para o desenvolvimento das varizes. Para evitar a volta do sangue repleto de gás carbônico para os membros inferiores, as veias possuem válvulas que impedem esse feito. Se o vasinho estiver dilatado, esse mecanismo não funciona. ” Desse modo, começa a acumular sangue nos membros inferiores e a pressão dentro das veias aumenta, o que ocasiona a dilatação e tortuosidade das mesmas, ou seja, varizes.”
Embora seja perceptível, muitos pacientes não procuram ajuda médica de imediato e isso é um erro. Ao estar ciente das varizes, consulte um profissional! Apenas ele poderá afirmar, com precisão, o grau de complicação da doença e quais os melhores tratamentos para o seu caso. ” O diagnóstico complementar das varizes consiste na identificação das veias dilatadas durante o exame clínico e complementado com instrumentos de realidade aumentada que são capazes de identificar veias não visíveis e que podem estar associadas ao quadro varicoso.”

Tratamentos

Os vasinhos acometidos pelas varizes perdem a sua função, pois não conseguem participar do fluxo sanguíneo com a mesma eficiência de antes. Portanto, o tratamento mais comum contra esse problema é a cirurgia. Esse método, consiste na realização de pequenos cortes ao longo do trajeto das veias, onde são removidas, e a retirada da safena se faz por meio de uma incisão na virilha e outra no pé.
Porém, a tecnologia dos equipamentos médicos e as técnicas de tratamento evoluíram e a cirurgia tradicional é uma opção apenas para casos muito específicos. Existem outras formas para que você possa se livrar das varizes”!
Aplicação de glicose super concentrada líquida: por ser um composto natural, não causa alergias e é indicada para secar as varizes. Não é recomendada a diabéticos, pois pode aumentar o índice glicêmico. É necessário repetir as sessões de aplicação de três a cinco vezes .
Escleroterapia a laser: embora seja mais caro do que as outras opções, não é invasivo e possui efeitos certeiros. O laser aquece os vasos varicosos, causando sua destruição e absorção pelo corpo. O sangue contido nessa veia morta percorrerá por outros vasos não doentes.
Tratamento com espuma: usada para microvarizes, essa técnica também é indicada para diminuir as veias varicosas com maiores diâmetros. Usa-se, geralmente o anestésico polidodecanol em forma de espuma e, ao ser injetado nos vasos, a substância os seca e o fluxo sanguíneo é redefinido.

As complicações negligenciadas

As varizes não levam o paciente ao óbito, mas podem trazer consequências dolorosas, se não tratadas. A negligência ao problema pode fazer com que muitos não procurem o médico, fazendo com que o quadro da doença piore.
Tromboflebite: esse é o nome dado as tromboses decorrentes das varizes, já que as paredes das veias inflamam (flebite) e há a formação de coágulos de sangue (trombo).
Ulceras varicosas: além de ser de difícil cura, causa uma dor muito forte. Consistem em feridas abertas que podem prejudicar, e muito, o tecido da pele.
Hemorragia: embora seja raro, uma veia com varizes pode estourar, causando uma hemorragia que, então, pode levar a óbito.

Previna-se

Embora quem possua predisposição genética para desenvolver varizes não tenha como prevenir o surgimento dessa doença, algumas dicas são fundamentais para diminuir as chances de uma veia ficar varicosa:

  • Faça exercícios aeróbicos para movimentar os músculos das pernas e dos braços;
  • Use meias elásticas caso trabalhe por muito tempo sentado;
  • Mantenha as pernas para cima quando puder para facilitar a circulação do sangue (coloque, por exemplo, um travesseiro embaixo dos pés ao dormir).